São Tomás de Aquino - Questões Disputadas Sobre a Potência de Deus (q. 1 a. 4-7)

Questiones Disputatae de Potentia Dei 

Como anunciado no proêmio, De Potentia trata de 7 temas acerca da potência de Deus. Na primeira parte do resumo tratamos dos 3 primeiros e neste trataremos de explicitar os 4 últimos, a saber: se o juízo acerca de algo ser possível ou impossível é conforme as causas inferiores ou superiores; se Deus pode fazer o que não faz e deixar de fazer o que faz; se Deus pode fazer o que os outros fazem, como pecar, andar etc; e porque se diz que Deus é onipotente.


Quanto ao quarto artigo, se o juízo acerca de algo ser possível ou impossível é conforme as causas inferiores ou superiores, seguindo a mesma lógica dos artigos anteriores, S. Tomás explica que sim, porém somente segundo o juízo dos filósofos, pois o juízo acerca do possível e do impossível pode ser considerado de dois modos: por parte de quem julga e por parte do que é julgado. Quanto à primera explica que se refere a duas ciências, sendo que uma considera as causas mais altas (teologia) e outra as menos altas (filosofia), sendo assim o juízo de quem julga não pode ser considerado univocamente em ambas, e sim segundo as causas que consideram uma e outra ciência.
Por exemplo, o juízo de um médico e de um astrólogo não podem ser considerados  da mesma forma, pois um julgará a saúde de um enfermo segundo causas próximas, ou seja, a partir da natureza própria da enfermidade, o astrólogo por sua vez, julgará segundo as causas remotas, isto é, segundo a posição dos astros.[1] Analogamente a sabedoria também deve ser compreendida segundo dois modos diversos, um filosófico, que julga as causas inferiores, e as julga a partir destas mesmas causas e outro teológico, que julga as causas superiores (divinas) a partir delas mesmas. Por causas superiores se entende os atributos divinos, como a sabedoria, bondade etc. A partir daí explica que não tem sentido considerar esta questão com relação aos efeitos que só podem ser produzidos por causas superiores, ou seja, que só Deus possa fazer, pois estes efeitos não convêm ser denominados possíveis ou impossíveis com relação às causas inferiores. “Se, porém, se considera este juízo quanto à natureza daquilo a que se julga, é evidente que os efeitos devem ser julgados possíveis com relação às causas próximas, já que a ação das causas remotas se determina com relação às causas próximas, as quais imitam principalmente os efeitos: e, por isso, com relação a elas se forma principalmente o juízo sobre os efeitos.”
No que se refere ao quinto artigo, se Deus pode fazer o que não faz e deixar de fazer o que faz, conclui que sim, refutando a tese de Pedro Abelardo. O erro dele se dá por dois motivos: primeiro por considerar que Deus age por necessidade de natureza e segundo por considerar que Deus cria as coisas conforme a ordem da sua sabedoria e sua justiça, sendo assim estaria obrigado a não romper com elas, porém Deus não age por necessidade de natureza, pois a natureza é obra da sua Inteligência, logo quando um ser criado age por natureza está limitado ao fim nela impresso pela inteligência divina. No caso de Deus isso é impossivel, pois ele mesmo é a Inteligência da natureza, e primeiro agente. Notamos que  aqui recorre a noção de causa final, que é sempre presente no intelecto do agente. “Logo, é evidente que Deus pode absolutamente fazer outras coisas para além das que fez.”

Em sentido muito prático, este artigo nos permite responder a questões fundamentais da nossa experiência existencial humana. Quem por exemplo, diante um sofrimento real, diante do mal real, nunca perguntou a si mesmo, porque Deus permitiu que tal coisa acontecesse, porque não fez de outra forma? a partir do que acabamos de estudar, vemos que Deus faz e permite aquilo que quer, e a sua vontade é sempre a mais perfeita, e quanto isso nos dá segurança para transcender à experiência do mal e também para ter a certeza, também filosófica, que o mal não é e não será a resposta última desta e toda e qualquer situação que nos encontrarmos.
No sexto artigo trata daquele que pessoalmente me pareceu o tema mais importante e atual da obra, isto é, se Deus pode fazer o que os outros fazem, como pecar, andar e outras coisas semelhantes e conclui que não. A pergunta de fundo é se Deus pode tudo o que pode a criatura? E a resposta é não.
Explica que aquilo que Deus não pode de modo absoluto, deve ser compreendido de duas formas, da parte da vontade, e da parte da potência. Quanto a primeira é evidente que Deus não pode fazer aquilo que não quer e se Deus é sumamente bom não pode querer algo contrário à sua Bondade como, por exemplo, pecar. Quanto à parte da potência, quando se diz que Deus não pode algo, isso também é dito de dois modos, em vitude da própria potência ou em virtude do possível. Quanto à primeira, considerada em si mesma é infinita e sem defeito, mas existem coisas que se referem ao nome potência mas na realidade são defeitos, por exempo poder falhar, e nesse caso Deus evidentemente não pode falhar, pois como foi dito, sua potência não possui defeito algum, “E por causa disso se diz que alguma potência é perfeita, conforme diz o Filósofo em Metafísica, V, 12, 1019ª 26-32, quando não pode estas coisas.” Por isso mesmo Deus não pode também mover-se, pois que o movimento implica certa imperfeição. Quanto ao possível, como já foi tratado no artigo acima, Deus não pode fazer algo que implique contradição, justamente porque a contradição é defeito e imperfeição.
No sétimo artigo responde por que se diz que Deus é onipotente. A resposta fica evidente a partir do que já foi explicado nos artigos anteriores, ou seja, que Deus é onipotente  “porque pode todas as coisas que são possíveis em si mesmas.”, que não implicam contradição em si mesmas. Conclui ainda neste artigo porque de Deus se pode dizer onipotente, mas não onivolente, e a resposta, resumidamente, é que não ser onivolente em Deus é atributo da sua perfeição.
Nestes últimos artigos da obra, podemos notar novamente o quanto a analogia é um recurso importante e mesmo fundamental para o pensamento filosófico, e dentre outras questões notamos também a aplicação de muitos conceitos da retórica de S. Agostinho presentes no aquinate como, por exemplo, fechar discussão de questões muito abertas e abrir a discussão de questões muito fechadas. Aprendemos ainda que, em filosofia, em primeiro lugar, quando deixamos claro primeiramente o que estamos pesquisando, diminui consideravelmente nossas chances de erro.
Pensemos que esta obra é aquela em que S. Tomás desenvolve com mais profundidade o tema sobre a onipotência de Deus, evidentemente aborda a questão em diversas outras obras, mas nessa sem dúvida, pode ser considerada sua carta magna sobre a onipotência de Deus tendo sempre como ponto de partida o que é real. Como foi dito no resumo anterior, a obra nos permite identificar também claramente o método filosófico do autor, e seus instrumentos fundamentais, a saber, a analogia em primeiro plano, mas também a dialética, a honestidade intelectual e abertura à busca da verdade, o que nos permite estabelecer também uma certa relação com os diálogos socráticos de Platão, onde a maiêutica nos permite “gerar”  a verdade, ou melhor, encontrá-la.



[1] Aqui deve-se ter em conta o contexto científico da época no qual se acreditva que a posição dos astros exerciam certa influência sobre a saúde ou enfermidade de alguém, o que hoje não está absolutamente superado, porém sem a mesma relevância científica.

Postar um comentário

Google+ Followers

Translate

  © Blogger template Shush by Ourblogtemplates.com 2009

Back to TOP