Exercício

Aqui segue um exercício dado nas aulas expositivas e as duas melhores respostas dos meus alunos.

Questão 1

A partir dos princípios abordados nas aulas expositivas e dos conhecimentos adquiridos a partir de sua experiência pessoal, como você analisaria o nazismo (numa expectativa da ética política e da ética pessoal) e por quê?

         “O nazismo comandado por Adolf Hitler, o qual tinha como partido, partido Nacional-Socialista dos Trabalhadores Alemães (Nazi). Hitler acreditava ser a desigualdade entre os homens e as raças, decorrência da ordem natural das coisas. Exaltava a raça ariana. Em contrapartida, odiava os judeus, os via como seus maiores inimigos do nazismo. Nos campos nazistas morreram cerca de seis milhões de judeus; essa foi a solução para a implantação da “nova ordem”, ou seja, a defesa da raça pura.

        O nazismo enquanto defesa apenas da raça pura foi anti-ético, porque a vida é um valor absoluto, seja para alemães como para judeus; ao relativizar o valor da vida o nazismo promovou uma politização imprópria da éicao.
      
        Na perspectiva da ética política também foi anti-ética porque não estabeleceu o bem comum dos povos, mas se restringiu àqueles que pertencessem a mesma raça ariana. Com isso, impossibilitou a ética privada, ou seja, que cada indivíduo pudesse alcançar a felicidade. Poderíamos até pensar que os governados por Hitler estavam se beneficiando com um bem comum e até com uma felicidade pessoal, enquanto regime, mas aqui se apresenta um bem não verdadeiro, ou seja, u bem aparente, porque a intenção de Hitler não era salvaguardar um bem absoluto, por mais que aparentasse, antes era destruir os judeus e todos quantos ele mesmo julgasse de raça inferior

Rodrigo dos Santos Simão, sJs. - 2º Ano de filosofia



Questão 2
Supondo que um policial militar ganhe três salários mínimos por mês e que o sindicato da classe considere ser um salário injusto e propõe uma greve na qual 70% do efetivo militar abandone seus postos de trabalho. Essa greve é ética ou anti-ética?

          Tendo em vista que a vida é o valor absoluto do homem e que o policial militar, por seu ofício, corra risco de perdê-la, é justo que lhe seja dado e que ele cobre de seu empregador melhores condições de salário e de trabalho. No entanto, neste caso observa-se que ao propor greve de 70% do efetivo, o sindicato permitiria que a população ficasse mais desprotegida consideravelmente.
        
               Aparentemente a greve nos parece um bem, no entanto é um bem aparente, que impede o bem comum do ser humano, uma vez que a sociedade seria prejudicada. assim o sindicato, em vista de um bem particular (considerando a quantidade de policiais comparada com a da população local), sacrificaria o bem comum, infringindo inclusive as regras e até mesmo a promessa que fizeram quando ganharam suas fardas. Por estes motivos, a greve é anti-ética.”

Eduardo Sartori Tavares, seminarista diocesano do 2º ano de Filosofia

Postar um comentário

Google+ Followers

Translate

  © Blogger template Shush by Ourblogtemplates.com 2009

Back to TOP