Vida sobrenatural

VIDA SOBRENATURAL


Resolvi escrever sobre este tema porque me chama atenção o modo com que algumas pessoas vivem neste mundo, pessoas muitas vezes cheias de dons, de saúde, de virtudes, mas que não encontram o sentido transcendente que somos chamados a viver.

Considerando que o próprio Deus ao se fazer Homem eleva a nossa natureza humana ao nível divino, porque viveremos nós meramente como homens de carne? Ou quando muito vivemos espiritualmente, mas com um espírito medíocre, pouco sobrenatural.

Deus se humilhou ao se fazer homem, Ele que é Deus; e continua se humilhando todos os dias na santa missa ao se fazer presente na Eucaristia, muitos que duvidam da presença real de Cristo na Eucaristia alegam que reduzir Cristo a um pobre pão é demais para crerem. Mas esse é um argumento fraco que só pode convencer àqueles que ainda enxergam as coisas naturalmente. Se Deus se humilhou ao ponto de se fazer homem que é nada, porque não se humilharia um pouco mais, por amor, se fazendo Eucaristia?

Nosso Senhor não se humilha a toa, Ele quer elevar a nossa condição, quer que sejamos deuses, que façamos parte do seu divino corpo glorioso.

É difícil compreender como há pessoas que ainda acreditam numa vida mesquinha puramente “natural”, mas o impossível é compreender que alguns que se dizem cristãos possam viver assim tão humanamente. O caso é muito mais grave quando esses cristãos ocupam cargos, funções, ou ministérios na Santa Igreja.

Por isso após algumas leituras, palestras e meditações resolvi escrever algo sobre esta vida tão sublime a que todos nós, principalmente nós, os cristãos, somos chamados a viver. A vida sobrenatural.

PORQUE TER VIDA SOBRENATURAL?

Não nos conformemos em ter vida oca, meramente exterior, São Josemaría Escrivá nos diz em Caminho (1): “Que a tua vida não seja uma vida estéril – Sê útil – Deixa Rasto – Ilumina com o resplendor da tua fé e do teu amor”. Essa fé e esse amor é dom que recebemos gratuitamente de Deus e o nosso dever é aumentá-los, de modo que contagiemos esse mundo tão carente de Deus e de vida sobrenatural. Continua São Josemaría: “Apaga, com o a tua vida de apóstolo, o rasto viscoso e sujo que deixaram os semeadores impuros do ódio – E incendeia todos os caminhos da terra com o fogo de Cristo que levas no coração”. Como diz nosso padre esse “Fogo” deve estar de tal modo inerido em nosso coração que nos faça irradiar onde quer que estejamos.

Essa vida sobrenatural é uma vida principalmente interior, de constante conversa com Deus e de uma incessante busca do sentido da nossa vida, da nossa missão, da nossa contribuição ao mundo e às pessoas com que convivemos todos os dias no trabalho, na Universidade, no colégio, em nosso bairro e em nossa casa.

Quantas vezes nos perguntamos: Que bem eu estou fazendo para o mundo, para a sociedade e para todas as pessoas que me cercam?

Santo Agostinho nos diz que só está verdadeiramente vivo quem tem vida sobrenatural.

ESTOU VERDADEIRAMENTE VIVO?

Quantas vezes nós já paramos para pensar se estamos verdadeiramente vivos ou se estamos mortos? Encontro verdadeiramente o sentido daquilo que faço? Porque estudo? Porque trabalho? Porque vou à Igreja?

Se a resposta a essas perguntas são: “Estudo para ter um bom emprego, trabalho para me sustentar a mim e a minha família, ou aquela mais comum, para ser alguém na vida”, “vou à Igreja porque lá eu me sinto bem”, as respostas estão certas, mas mediocremente humanas.

Se de fato quem responde a essas perguntas dessa forma e acreditam realmente nesses motivos estão correndo perigo de vida sobrenatural, isso faz com que sintam que tudo é um castigo e se desesperem ao pensar que no dia seguinte terão que retornar ao mesmo lugar para fazer a mesma coisa, sentem a tentação de achar que têm de mudar de emprego, de carreira de religião, não sabem que o que têm que realmente de mudar é de vida, da vida natural para a sobrenatural. Essas pessoas estão prestes a um conformismo, ou pior ainda, a entrarem numa profunda tristeza e à primeira adversidade, se sentirão impotentes e sem responsabilidade pelos problemas que as cercam.

Boas respostas seriam: estudo porque aspiro o conhecimento, cultura, porque busco a Verdade, Já dizia Platão que o verdadeiro sábio deseja encontrar a Verdade, outra boa resposta seria: Trabalho porque reconheço que recebi dons de Deus, que tenho habilidades que outras pessoas não têm, porque quero colaborar com meu País, com a sociedade, trabalho porque encontro Deus através do meu trabalho. Jesus trabalhou a maior parte de sua vida na oficina de José. Vou à Igreja porque sei que essa é a vontade de Deus para a minha vida, porque acredito que essa vida é passageira, porque busco a Vida Eterna.

Devemos nos sentir privilegiados em poder executar funções diárias que nos permitem encontrar Deus, essas funções são na verdade regalias que só os filhos de Deus possuem.

Penso também humanamente se perco tempo dizendo que não sei fazer isto ou aquilo, nunca me ensinaram a fazer isso ou aquilo outro, ou ainda se me magôo muito fácil, com uma crítica, ou se hajo como um “maricas” com um ciúme tolo porque não fui designado para esta ou aquela função, ou se desisto fácil das coisas, tudo são na verdade pretextos para nos absolvermos dos nossos deveres e obrigações.

É necessário ver as coisas com olhos sobrenaturais, com os olhos da fé, de Deus e buscar entender o que Deus quer de nós em cada função que realizamos, a cada instante. “Carpe Diem” vivido no bom sentido da expressão.

Porque nos aborrecermos tanto com doenças que muitas vezes são apenas instrumentos que nosso Pai, Deus coloca em nossa vida para nos manter em Sua presença? Que belo exemplo nos deu Alexia em encontrar a Deus no sofrimento! Quantas vezes nos pegamos irritados por uma simples gripe, uma dorzinha de garganta, ou uma coceira aqui ou acolá, com o atraso de ônibus, com o trânsito, ou pior ainda, com a comida que está fria, com a chuva que está forte, ou com o calor demasiado?

Quantas vezes perdemos, eu e você, ocasiões de oferecer a Deus esses pequenos incômodos que nada mais são do que manifestações do amor de Deus? É como se na verdade Ele dissesse: Ainda te amo viu?

Oxalá freqüentemente fizéssemos a mesma oração de São Josemaría ao estranhar como tudo estava dando certo: “Senhor não me amas mais?”

Não podemos perder estas pequenas oportunidades cotidianas de oferecer a Deus essas pequenas mortificações e responder a Deus: Eu também te amo!

“A vida cotidiana pode às vezes parecer banal. No entanto, se procuramos a Cristo, o cotidiano se transforma em caminho para Deus e para a felicidade.” (D. Javier Echevarría, prelado do Opus Dei)

COMO TER VIDA SOBRENATURAL?

Meus amigos, para ter vida sobrenatural, não são necessários grandes esforços, sacrifícios e etc. ë necessário apenas que tiremos as traves de nossos olhos para que possamos ver as coisas como elas realmente são.

São necessárias estas três virtudes, talvez até já tenhamos alguma, que são como uma espécie de tripé da vida sobrenatural: A fé, a esperança e a caridade

Teresinha  – (4 de abril de 2013 20:22)  

Precisamos aprender a viver no sobrenatural de Deus. Não podemos nos abalar diante das circunstâncias, mas devemos crer que o nosso Deus é o Deus dos impossíveis. Se nós estivermos dispostos a caminhar com Deus, Ele se revelará em nossas vidas demonstrando que todo o poder está em suas mãos e nos dará a vitória diante de todas as circunstancias e provações.
Que Deus o abençoe Padre Gilberto, concedendo-lhe a cada dia muitas luzes e sabedoria, para que suas palavras penetrem no coração dos homens.

Postar um comentário

Google+ Followers

Translate

  © Blogger template Shush by Ourblogtemplates.com 2009

Back to TOP